podem ser ressuscitados pela pedra âmbar?

Os dinossauros podem ser ressuscitados pela pedra âmbar?

A pedra de âmbar nos tempos atuais é muito usada para tratamentos medicinais é possível encontrar colar de âmbar, pulseira de âmbar existindo até mesmo coleiras para pets.

Mas durante muito tempo, os cientistas apenas examinaram inclusões, descreveram-nas cuidadosamente, dataram-nas e classificaram-nas. Esses achados eram monumentos mortos do passado. Há alguns anos, em pedaços de resina que jaziam há milhões de anos, eles começaram a procurar vida. Talvez, lá, sob a rocha impenetravelmente viscosa, as células dos animais tenham sido preservadas sem nenhum dano? Talvez o DNA possa ser extraído deles? Se isso fosse possível, se os genes de todos esses gorgulhos, efêmeras, caddisflies que viveram no período Paleógeno ou Cretáceo fossem armazenados em âmbar quente ao toque, como em outros freezers, essas descobertas praticamente corrigiriam a história da evolução, eliminando um monte de manchas brancas acumuladas, confirmando parentesco onde era apenas adivinhado e refutando ligações entre espécies individuais onde eles eram apenas duvidosos. O DNA que você procura é como um passaporte

A fantasia de outros autores funcionou ainda mais rápido. Eles se lembraram do famoso “Jurassic Park”. O protagonista do filme, seu colega, conseguiu restaurar em toda a sua grandeza não apenas o mosquito, essa “máquina do tempo revivida”, mas também o lagarto (o sanguessuga alado, é claro, descansou em âmbar, mas, após deitar por um cem milhões de anos, não perdeu um único gene – nem o seu, nem o de outra pessoa). Talvez todos nós precisemos passear em trajes de banho nas noites de verão para que esses mosquitos insuportáveis, gota a gota de sangue, nos levem ao futuro distante, onde vivem os mesmos bravos geneticistas, como o personagem de Harrison Ford? Mas espere (vamos parar o voo da nossa imaginação) os genes podem ser preservados depois de tantos anos? Nossos desejos são compreensíveis, mas eles têm uma base científica?

Os pesquisadores americanos George e Roberta Poinar foram os primeiros a procurar genes “âmbar”. Na frente deles, em uma resina viscosa dourada, havia um gorgulho que vivia nas florestas de coníferas do período Cretáceo. O casal removeu cuidadosamente o inseto do âmbar e o colocou em uma solução de extração para decompô-lo em seus constituintes moleculares individuais. O momento mais importante chegou. Foi necessário multiplicar a molécula de DNA usando a reação em cadeia da polimerase, caso fosse encontrada. Até agora, acreditava-se que, na melhor das hipóteses, poderia permanecer por apenas cem mil anos.

Parece que as coisas estão diferentes agora. As previsões mais loucas se tornaram realidade. A porta dourada e transparente para o passado se abriu. Tudo atrás dela permaneceu o mesmo. Os cientistas se alegraram. Eles encontraram esse DNA, tão reminiscente dos genes do gorgulho moderno. A febre do âmbar começou. Vários grupos de pesquisa relataram que foram capazes de isolar o DNA de inclusões que ficaram na pedra de âmbar por mais de um milhão de anos. A lista de animais resgatados do passado distante estava se expandindo. Parece que essas criaturas, atoladas em resina com todas as patas, caíram na eternidade, onde todas as partes de seus corpos estavam tão frescas quanto as drogas que chegaram ao laboratório há apenas uma hora. O tempo parou em âmbar?

Perspectivas surpreendentes se abriram antes da ciência. Se a vida na Terra é capaz de “dormir” por tanto tempo, escondida em um pedaço de âmbar, então organismos semelhantes, obviamente, podem ser encontrados em Marte, onde as condições naturais já foram semelhantes às da Terra. “Se existiu alguma vez vida em Marte, nós a encontraremos”, disse com confiança o microbiologista americano Jeffrey Bada, do Instituto Skripp de Oceanologia.

Os críticos disseram antes que é difícil acreditar nos resultados obtidos usando a reação em cadeia da polimerase: muitas vezes as impurezas penetram na droga. Agora, o Dr. Jeremy Austin e seus colegas do Departamento de Paleontologia e Zoologia do Museu britânico provaram de forma convincente que as moléculas de DNA extraídas do âmbar não pertencem aos insetos que viveram nesse âmbar. 

A linhagem do gorgulho libanês permaneceu não escrita. Seu “passaporte” foi perdido ao longo dos anos. Todos os mosquitos do período Jurássico perturbaram os dinossauros em vão. Do sangue bebido por eles, nem um único monstro pode ser encarnado. As sombras do passado, mesmo após jazidas em laboratórios modernos, não são capazes de tomar corpo.

Para provar esse fato decepcionante, Austin pegou 15 amostras diferentes de DNA e replicou cada uma mais de quatrocentas vezes, usando a reação em cadeia da polimerase, é claro. Os resultados falam por si. Em alguns casos, os pesquisadores encontraram DNA de fungos microscópicos nas amostras, em outros casos, seus próprios genes. O método revelou-se surpreendentemente impreciso. Eles tinham que ser usados ​​no vácuo, caso contrário um minúsculo esporo de um fungo, uma partícula de uma flor ou um pedaço de pele esfoliado era suficiente para substituir o resultado esperado. No ar dos laboratórios onde esse método era seguido, tudo cheirava a falsificação, mesmo que os próprios cientistas fossem honestos e sinceros.

O mistério permanece um mistério, embora o abordemos com os mais modernos instrumentos, munidos das mais modernas teorias científicas. Âmbar não tem pressa em revelar seus segredos. Ainda é um mistério para nós, assim como para as pessoas da Idade da Pedra, que já usavam amuletos e joias feitas com essa pedra de âmbar.

You Might Also Like
Deixe uma resposta